quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

HGP - Os romanos na Península Ibérica

Caros amigos:
Amanhã, quinta-feira, dia 3 de Dezembro, é dia de correcção da Guia de Estudo e de revisões para a ficha de avaliação. Não se esqueçam.
O dia 7 de Dezembro é dia de ficha de avaliação.
Aqui vos deixo o resumo do tema "Os romanos na Península Ibérica".
Bom trabalho.
Os Romanos na Península Ibérica

Há cerca de 2200 anos, a Península Ibérica foi conquistada por um povo muito poderoso: os Romanos que eram originários da Península Itálica;
POs romanos ossuíam um forte e organizado exército, bem armado o que lhes permitiu conquistar um vasto império, isto é, um conjunto de territórios habitado por vários povos mas sujeitos ao poder de um mesmo chefe - o imperador;
O 1.º Imperador foi Octávio César Augusto.
Chegaram à Península Ibérica, no ano 218 a.C., depois de derrotarem os cartagineses que dominavam o sul e o este da península, atraídos:
- pelas riquezas da Península – metais, cereais, azeite, vinho, cavalos, etc;
- pela possibilidade de alargar os seus territórios;
- pela possibilidade de dominarem o comércio do Mar Mediterrâneo.
A conquista foi dura e difícil pois vários povos, com destaque para os Lusitanos ofereceram resistência à sua progressão.
Os Lusitanos, embora tivessem um exército mais fraco e menos organizado, utilizaram tácticas de guerra como os ataques de surpresa (armadilhas e emboscadas) que desnorteavam os Romanos.
Um dos mais famosos chefes dos Lusitanos foi Viriato.

Cronologia:

218 a. C. – Tropas romanas desembarcam na Península Ibérica;
179 a. C. – Início dos combates entre Romanos e Lusitanos;
25 a. C. – Fundação da cidade de Mérida (Emerita Augusta);
19 a. C. – Os romanos dominam toda a Península Ibérica;
409 – Os Bárbaros entram na Península Ibérica.
Chamamos ROMANIZAÇÃO às transformações das paisagens e do modo de vida das populações peninsulares causadas pelos romanos.
Os povos ibéricos, pouco a pouco aprenderam a língua, as leis, os costumes e as técnicas de construção dos romanos.
Os Romanos trouxeram muitas inovações que foram alterando o modo de vida dos povos peninsulares:
-novas culturas como a vinha, o trigo e a oliveira;
-exploração de minas (Aljustrel e Vila Pouca de Aguiar, por ex.);
-desenvolvimento de indústrias como a salga de peixe (Tróia), olaria e tecelagem;
- novos materiais de construção como as telhas, os tijolos e os mosaicos;
- novos utensílios como ânforas, talhas, candeias (lucernas), jóias;
- o uso generalizado da moeda para o comércio;
- uma rede de estradas e pontes para unir as diversas cidades entre si e a Roma, de forma a facilitar a circulação do exército e das mercadorias;
- novas cidades com teatros, templos, balneários públicos com água quente (termas), aquedutos (para abastecre as cidades de água), monumentos;

- novas cidades com teatros, templos, balneários públicos com água quente (termas), aquedutos, monumentos;
- um novo tipo de casa, coberta com telha, jardins interiores, repuxos de água, mosaico a cobrir o chão;
- uso do latim como língua falada na Península e que está na base das línguas latinas como o português, o mirandês, o castelhano (espanhol), o catalão, o galego, o francês, o italiano e o romeno;
Exemplos: Aqua – água; liber – livro mater – mãe; panis – pão; pater – pai; sal – sal; schola – escola; tegula-telha;
- uso da numeração romana;
A partir do século IV, o Cristianismo passou a ser a religião oficial de todo o Império Romano.
Como e onde nasceu o cristianismo?
Jesus Cristo nasceu em Belém, entre o ano 7 e o ano 4 a.C.;
Aos 30 anos de idade começou a pregar uma nova religião: o Cristianismo;
O Cristianismo era diferente da religião romana pois tinha como características:
A existência de um Deus único (religião monoteísta);
Deus criador de todas as coisas;
Pregação do amor e a igualdade entre todos os Homens;
Os cristãos negarem-se a adorar o Imperador;
Os cristãos não aceitarem a escravatura.
Jesus Cristo acabou por ser crucificado aos 33 anos.
A sua mensagem ficou registada no Novo Testamento.
O cristianismo espalhou-se, rapidamente, devido ao grande número de pobres e de escravos existentes no Império;
Muitos dos primeiros cristãos foram perseguidos sendo crucificados ou lançados às feras.
313 – O Imperador Constantino concede a liberdade de culto (cada um podia seguir, livremente, a religião que quisesse).
380 – O Imperador Teodósio declarou o cristianismo como religião oficial do Império.

O fim do Império Romano
Os romanos chamavam bárbaros a todos aqueles que vivam fora da fronteiras do Império e não falavam latim;
A partir do século IV, muitos desses povos invadem o Império, acabando com Império Romano em 476, ano em que foi deposto o último imperador romano.
Povos bárbaros:
Visigodos (instalam-se na Península Ibérica. Acabam por a dominar completamente no século VI);
Reino com capital em Toledo
Suevos (instalam-se na Península Ibérica);
Reino com capital em Braga.
Vândalos;
Francos;
Ostrogodos;
Anglos;
Saxões;
Borguinhões;
Lombardos; etc.

Os Visigodos eram:
- menos numerosos que os habitantes da Península;
- menos evoluídos do que a população romanizada;
- acabaram por aceitar a cultura romana;
- passaram a falar latim;
- adoptaram o Direito Romano (leis romanas);
- converteram-se ao Cristianismo.

Em resumo: também os visigodos sofreram o efeito da romanização.

3 comentários:

Francisco disse...

Olá stor TóZé você enganou-se no segundo parágrafo.

Acácio Gomes e já agora obrigado por ter metido sempre os resumos dos testes aqui no blog.

Filipe Amado disse...

Obrigado por pôr o resumo stor tozé

Anónimo disse...

olá stor Toze!Fiz o teste mais em cima e tive 100% Obrigado e o resto de um bom fim de semana. Henrique Lourenço